sexta-feira, 26 de maio de 2017

O órgão de tubos do Palácio de Cristal (2)

Se atrás vimos como se compunha este instrumento que por perto de 80 anos teve lugar cativo lá ao fundinho da nave central do extinto Palácio de Cristal, vamos agora partir para a parte mais difícil desta jornada: o seu triste desaparecimento.

(Os apontamentos abaixo foram também eles coligidos do artigo de L. A. Esteves Pereira, mencionado na entrada anterior.)

No ano de 1935 quis a Câmara Municipal proceder à reparação do órgão. Para isso aceitou, em julho, várias propostas de afinadores e construtores nacionais e estrangeiros. A própria casa que construíra o instrumento quase cem anos antes se disponibilizara para trazer um técnico ao Porto, por forma vistoria-lo e apresentar então a sua proposta.

Não obstante todas elas terem sido avaliadas, certo é que o restauro nunca teve lugar, e assim permaneceu o instrumento mudo por mais uns bons anos.

A nave central num postal do início do século passado. Ao fundo, ainda imponente, podemos ver o órgão (foto AHMP)

Em 1947 a Câmara do Porto fez vir à cidade um técnico de uma firma lisboeta João Sampaio, Lda, com o intuito de examinar e avaliar o órgão e de seguida apresentar a sua proposta. Esta firma foi consultada por indicação do diretor do Conservatório Nacional, Dr. Ivo Cruz.

As notas que se vão ler abaixo são do sócio gerente da firma, Eng. José Ramos Sampaio, e são a constatação e uma evocação da miséria a que aquele instrumento havia chegado:

-- // --

«(...) Fomos ao Palácio. Não nos queriam deixar entrar, sendo necessário para isso mostrar a carta em que a Câmara me participava a aceitação das condições para eu fazer a dita vistoria.

Logo atrás de mim veio um outro guarda que disse depois que tinha ouvido a conversa e vinha para auxiliar em qualquer coisa.

Depois de por uma escada de madeira, restos de um escadote improvisado e termos improvisado e termos subido para o estrado do órgão, despimos os casacos e vestimos os fatos de macaco (eu e o Mário). Entramos lá dentro levando eu a pasta com os apontamentos.
O exterior do edifício também num postal do início do século passado. Quem sabe terá sido por este lado que o órgão foi sendo peça a peça subtraído? (foto AHMP)

Fiquei espantado quando vi que tinham desaparecido todos os tubos. O Mário só encontrou um minúsculo, fino como metade de um lápis e que estava caído e quase não se via, por isso escapou. Não havia mais. Nos secretos todos, (exceto nos dos Pedais) não havia um tubo de madeira no lugar. Tinham sido todos tirados do lugar para facilitar o roubo e estavam amontoados sobre os secretos. Nos secretos laterais da pedaleira tinham ficado no lugar os tubos grandes de madeira e os funis (só os funis) dos tubos de palheta (os pés de chumbo com as palhetas desapareceram).

No secreto surdina (todo dentro de uma caixa expressiva) tinham tirado várias réguas expressivas para entrarem lá dentro e fazer a mesma devastação.

Era horrível o aspeto daquilo. Restavam os tubos da fachada, receavam talvez que se visse a falta.

Não escondi a minha revolta mesmo diante do guarda que estava lá com a gente, tendo eu até chamado a sua atenção para os sítios que pisava e onde podia estragar alguma coisa.

O homem disse-me que aquilo estaria assim há muitos anos! Respondi que não pois eu mesmo lá estivera havia 12 anos e não faltavam senão poucos tubos.

Contou-me que alguns empregados que estiveram já se tinham ido embora. um até tinha ido para a Venezuela!

Os teclados e registos têm à frente umas portas envidraçadas. Estavam fechadas à chave.

No outro dia visitei o Diretor dos Serviços Culturais, na Câmara...

Voltámos [para Lisboa] no rápido da tarde.

Assim se perdeu uma bela obra e nós um possível trabalho.»

-- // --

Ou seja, o órgão estava já irremediavelmente perdido...

Assim, graças à egoísta ratonice de alguns que viram ali presa fácil para o ganho de alguns escudos; se perdeu um instrumento que ainda hoje poderia estar a fazer as delícias dos ouvidos portuenses, mesmo que não no local onde fora originalmente instalado, por também este ter sido vítima de um crime de lesa património perpetrado por quem dele deveria cuidar!

Sem comentários:

Enviar um comentário