segunda-feira, 12 de junho de 2017

D. Manuel de Santa Inês - um bispo proscrito (1)

Nestas coisas de ver jornais velhos, vou encontrando histórias bem interessantes e surpreendentes; muitas delas dignas de figurar em livros monográficos. A história do enterramento do bispo em título é disto um exemplo.

Em 24 de janeiro de 1840 faleceu D. Manoel de Santa Ignez, governador do Porto e seu bispo desde 1832. Separava-o dos outros bispos a forma como chegara ao cargo: por escolha régia. Na verdade, este bispo nunca foi confirmado pelo papa, e claro, foi eleito por D. Pedro IV por ser um caso raro: um eclesiástico afeto à causa liberal! Data de 18 de julho a sua nomeação, assinada por José Xavier Mouzinho da SIlveira que refere: «Tendo-se verificado por inquirição de testemunhas que o bispo do Porto desertará daquele rebanho de Jesus Cristo, que tinha sido confiado ao seu ministério (...): Hei por bem, em nome da rainha, nomear para fazer as vezes de bispo, na qualidade de Governador do mesmo bispado, a Frei Manuel de Santa Inês, da Ordem dos Religiosos de Santo Agostinho Descalços (...)». Assim vem publicado na Cronica Constitucional do Porto de 19 de julho de 1832. Diga-se de passagem, que ao mesmo prelado foi entregue o arcebispado de Braga, que se encontrava em Sede Vacante pelo mesmo motivo: fuga.
Busto de D. Manuel de Santa Inês em Baguim do Monte, sua terra natal (foto WIKIPEDIA)
O bispo "ausente" era D. João de Magalhães e Avelar, que sempre se mostrara contra o liberalismo (ironia das ironias, falecido logo em 1833, a sua valiosa biblioteca pessoal veio a constituir o núcleo inicial da Biblioteca Pública Municipal do Porto, fundada por D. Pedro IV no mesmo ano!).

Mas Dom Manuel de Santa Inês parece ter sido algo "proscrito" pela Mitra e Cabido e mesmo a cronologia dos bispos do Porto disponível na internet o não inclui, talvez pela ausência da confirmação papal que de facto nunca teve (veja-se a imagem abaixo). Para saber um pouco mais sobre a vida deste prelado é só dar um salto à sua página no sítio da Junta de Freguesia de Baguim do Monte.
Excerto da Cronologia dos bispos do Porto onde D. Manuel não consta.
Contudo, esta postagem centra-se sobretudo na forma como se passaram as suas exéquias fúnebres, que reforça a minha convicção de que aquele bispo nunca foi bem aceite por todo o clero diocesano...
Mas antes de lerem o restante, caros leitores, a advertência de sempre: toda esta informação colhi-a na Vedeta da Liberdade, pelo que dada a clara "cor" dos jornais da altura (e os de hoje serão assim tão diferentes?...), representa os factos vistos unicamente por aquele periódico que não morria de amores pela Carta Constitucional...

«--»

Logo no dia 25 teve lugar na Sé «o ofício solene de defuntos, pelo repouso da alma do Exmo. bispo eleito». A missa foi cantada pelo Chantre Tomás da Rocha Pinho «e tanto este senhor como os seus companheiros, que estava no seu coro baixo, de batina e capa, só figuravam como particulares, e não como cabido

O jornal prossegue com uma pequena descrição das autoridades e militares presentes, dizendo também que o General Barão de Alcobaça «tinha mandado dar tiros de artilharia de espaço a espaço, e ele mesmo se postou à testa de toda a tropa de pret e voluntários móveis, fixos, e provisórios, tanto da cidade, como dos subúrbios, que chegava desde a porta da Sé até ao meio da rua Chã».

E prossegue: «Quando o finado bispo eleito se sacramentou, com aquela candura, e humildade cristã, que tanto o dominava, pediu ao Ilmo. cabido, que por favor sepultassem seu corpo em uma sepultura do claustro; é neste lugar, que se sepultam os cónegos[1] (...). O Illmo. cabido, ou quem quer, que domina em designar, em tais casos, as sepulturas, mandou abrir a campa, não no claustro, debaixo dos arcos, mas sim num lugar descoberto, que fica circundado pelo claustro.

Acabado o ofício quando se tirava da eça o caixão para se conduzir à sepultura, principiou um grande alarido, pedindo uns que o cadáver fosse conduzido para a real capela da Lapa, e outros, que fosse sepultado no jazigo dos Srs. bispos; crescia cada vez mais o tumulto, e o povo ameaçava os cónegos, e lhes exprobrava não fazerem as devidas honras ao bispo feito pelo Sr. D. Pedro = os que levavam o caixão, e o mais do préstito fugiram, e o caixão ficou ao desemparo no meio do chão, e só ficou abraçado no mesmo caixão o Sr. abade de S. Nicolau: nisto deu o Sr. abade um público testemunho da sua amizade, e da sua gratidão, nisto mostrou este benemérito pastor, que se não esqueceu, que ele era esse Sr. Faustino, a quem sua Excelência tanto beneficiou em vida, como já dissemos[2].

A área central do claustro da Sé portuense numa fotografia disponível na Gallica, seria este o "lugar descoberto" onde se pretendeu sepultar D. Manoel de Santa Inês?
Estando as cousas nesta desordem o Exmo. Sr. Barão de Alcobaça e o Exmo. Sr. Administrador Geral trataram de acomodar o túmulo (sic), do melhor modo possível: o Ilmo. cabido assustado já oferecia, que o cadáver fosse sepultado na capela de S. Vicente, jazigo dos Srs. bispos; um momento pareceu o povo deliberar, mas as vozes se ouviram: à Lapa à Lapa, porque podem desenterrar o corpo e leva-lo para outra parte: estas vozes foram seguidas, e o caixão tornou-se a por na eça, havendo a circunstância, que algum cuidado deu, de se queimar um bocado do bambolim, que servia de ornato à eça.

Decedido, que o cadáver fosse sepultar à Lapa, deram-se todas as providências para esse fim.»

Interrompo aqui por agora; mas continua...
_________
1 - ou seja, não os bispos, que estes ficavam dentro da igreja.
2 - pelo "tom" das palavras poderá haver aqui uma crítica velada...?

Sem comentários:

Enviar um comentário